EM NOTA, TÉCNICOS REAFIRMAM POSIÇÃO CONTRÁRIA AO RETORNO DAS ATIVIDADES PRESENCIAIS NA UFSJ



Na tarde desta quarta (25) o Sinds-UFSJ se reuniu em assembleia geral. No encontro a base sindical aprovou uma nota expondo o posicionamento da categoria contrário ao retorno das atividades presenciais nos campi da UFSJ.


A discussão teve início após alguns cursos e departamentos começarem a se mobilizar pelo retorno das atividades presenciais na universidade já em janeiro de 2021. Os servidores argumentam contra a viabilidade da ação, tendo em vista a continuidade da maior crise sanitária dos últimos anos, a pandemia da Covid-19. O sindicato destaca também que, segundo estudo feito pelo próprio Sinds-UFSJ, 75% da categoria é membro do grupo de risco da doença ou convive com pessoas que são.


Durante a assembleia, os sindicalizados atentaram também para o fato de que mais da metade dos servidores da casa está afastada do trabalho por meio de portarias que protegem os membros do grupo de risco e outros, ou seja, a carga de trabalho dos servidores ativos seria ainda mais sobrecarregada.


Confira aqui a nota aprovada pelo Sinds-UFSJ.


Representação


Outra deliberação da assembleia foi em relação ao comportamento do sindicato quanto ao pedido de reestruturação da representação das categorias nos conselhos e órgãos deliberativos da universidade.


Em assembleia anterior, os servidores já haviam debatido o assunto e elaborado uma proposta de reformulação seguindo parâmetros considerados mais justos e que permitiriam maior paridade nas discussões e decisões da UFSJ. O pedido de discussão e a proposta elaborada em assembleia foram enviados ao CONSU no dia 14 de outubro.


No entanto, ainda não houve nenhuma resposta ou sequer menção do assunto no conselho. Partindo do entendimento de que a pauta, de interesse da categoria, está sendo ignorada deliberadamente, os servidores decidiram que, caso o tema não entre na pauta da próxima reunião do CONSU, o sindicato fará contato via Ouvidoria, onde existe um prazo estabelecido para resposta, e lançará uma campanha nas redes sociais cobrando a discussão da maior representatividade da categoria dos órgãos deliberativos da universidade.


Outros dois temas de interesse da categoria discutidos em assembleia foram a criação de novos programas de Pós-Graduação na UFSJ e a necessidade de mobilização contra os cortes no orçamento universitário para 2021. Em relação ao primeiro tópico, o Sinds-UFSJ esclarece que seu posicionamento não é contrário a expansão da universidade e de seus cursos. O que preocupa a categoria é a criação de novos programas sem a contratação de novos servidores, o que acarretaria ainda mais sobrecarga de trabalho aos membros da categoria.


Quanto a mobilização contra os cortes no orçamento, a diretoria do Sinds explica que a proposta apresentada pelo Governo Federal prevê o corte de R$ 1 bilhão na verba destinada às universidades públicas em 2021. Isso representa 20% a menos de verba de custeio, o que impossibilitaria o funcionamento da UFSJ, por exemplo.


A diretoria do Sinds-UFSJ está em reunião junto a outros sindicatos e representantes de setores acadêmicos para discutir os planos de mobilização.