NOTA DO SINDS – CONDIÇÕES DE TRABALHO PARA AULAS REMOTAS EMERGENCIAIS




Os Técnicos-Administrativos em Educação da UFSJ, reunidos em assembleia online na tarde de ontem (01 de julho de 2020), decidiram por quase unanimidade dos presentes não apoiar, neste momento, a retomada das aulas remotas emergenciais, por uma série de razões a seguir elencadas:


1 – Falta de protocolos sobre acesso aos Campi da Universidade e sobre proteção no trabalho realizado nas dependências da instituição, bem como não disponibilização de EPIs para o trabalho presencial. (A retomada de aulas no formato remoto pode gerar demandas de trabalho aos técnicos que necessitem ser realizadas presencialmente, ainda que esporadicamente, o que acabaria por expor os mesmos a condições insalubres de risco extremamente elevado).


2 – Ausência de debate e consulta da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação e da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação com os servidores das áreas acadêmicas (servidores das secretarias de pós e graduação, técnicos de laboratório), Dicon, Biblioteca e outros setores, o que acaba por prejudicar a adoção de medidas que sejam amplas o bastante para contemplar as especificidades da rotina de trabalho destes servidores.


3 – Debate sendo feito majoritariamente nos espaços em que os técnicos não possuem representação, como colegiados e departamentos, o que acaba ferindo o princípio da gestão democrática, como estabelece a LDB.


4 – Ausência de procedimentos e protocolos nas áreas acadêmicas, que definam com clareza as atribuições de cada segmento na execução das suas responsabilidades;


5- Falta de perspectiva de solução para trabalho remoto e eventualmente presencial para servidores técnicos-administrativos que convivem em seu âmbito familiar com membros pertencentes a grupos de risco. A exposição, mesmo que esporádica ao trabalho presencial, representaria imenso risco e possibilidades de perdas irreparáveis a família destes servidores, que aumentariam exponencialmente seu risco de contágio pelo Covid-19 em função dos deslocamentos necessários para desempenho de suas funções. Lembrando que diversos estudos já apontam a utilização de meios de transporte coletivo como um dos fatores que mais contribuem para a alta transmissibilidade do vírus em nosso país.


Salientamos que os técnicos-administrativos não pararam de trabalhar e estão desempenhando suas atribuições de forma remota desde o início da pandemia, e os que necessitam ir até o seu setor circulam no âmbito da Universidade sem receber qualquer EPI ou material de higiene por parte da instituição. Essa posição, tirada em assembleia, poderá mudar, desde que os pontos acima elencados sejam melhor discutidos e resolvidos pela instituição.


O SINDS-UFSJ se coloca à disposição para o diálogo, visando sempre o bem-comum, mas atuando também na proteção necessária dos técnicos-administrativos da instituição.


São João del-Rei, 02 de julho de 2020.

SINDS-UFSJ – SINDICATO DOS SERVIDORES DA UFSJ