EM NOTA, SINDS CRITICA MEDIDAS AUTORITÁRIAS QUE FEREM AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA E DIREITO DE GREVE



O SINDS-UFSJ, após discussão e encaminhamentos decididos em Assembleia da categoria na manhã desta sexta (27), vem a público informar que nos causou espanto a conduta precipitada, subserviente e açodada da gestão da UFSJ, em relação à aplicação da IN nº 125/2020, que altera a IN nº 2/2018. A instrução normativa aponta para um cenário em que teremos o controle dos nossos pontos eletrônicos em tempo real pelo Governo Federal, que vem nos atingindo com ações autoritárias e ferindo a Autonomia Universitária. Também fica registrado o fato de não haver um diálogo anterior com os servidores, mas apenas o simples informe pela Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas (Progp) de que a norma será aplicada de forma irrestrita ainda esse ano. De igual modo, houve espanto com a adesão à IN nº 54/2021, que exerce o controle do direito de greve. Por mais que possam existir caminhos legais e jurídicos para barrar mais essa afronta ao serviço público, é imperiosa a manifestação pública de nossa Reitoria sobre a adesão à norma flagrantemente persecutória em seu conteúdo.


Apenas aderir às normas sem ter uma avaliação crítica do conteúdo e do momento político é colocar a Universidade em alinhamento automático com medidas emanadas de um governo de claro viés fascista, que tem o serviço público, o servidor público e as próprias universidades como inimigos. Ademais, é preciso destacar que o SINDS-UFSJ sempre agiu e sempre agirá na forma de tentar combater essas medidas autoritárias, mas isso não exclui, de forma alguma, o papel dos gestores de nossa universidade no combate às normas injustas, com claros impactos negativos.


Informamos, na oportunidade, que será marcada para o dia 02 de setembro uma nova assembleia para discussão e definição do posicionamento da base sobre a melhor forma de lidar com a atual inércia institucional quanto a defesa da categoria diante de tais INs que nos afetam catastroficamente. E para tanto, fica aberto o espaço para a gestão se manifestar sobre a postura que tem adotado em relação a essas Instruções Normativas.


Ressaltamos ainda que, durante a reunião com a PROGP, o coordenador do SINDS Denilson Carvalho fez a ponderação, por mais de uma vez, da necessidade de uma reunião ampliada da Gestão para expor a questão para os técnicos, aspecto reiterado na assembleia de hoje em diversas oportunidades por vários servidores.


Durante a assembleia, também foi solicitada a uma assessoria da Reitoria que o Reitor estivesse presente e pudesse dialogar com os servidores, ouvindo as ponderações da categoria e expondo de forma clara a posição da Gestão e possíveis encaminhamentos para as questões em debate. Em outras oportunidades Reitoras e Reitores da UFSJ compareceram de imediato à assembleia para explicar os pontos discutidos naqueles momentos, mas o atual Reitor não compareceu e sua assessoria não justificou o motivo, embora tenha firmado o compromisso da presença do Reitor em uma próxima reunião.


Reforçamos o compromisso do SINDS ao diálogo, sendo nossa caminhada coletiva calcada na luta constante contra a retirada de direitos e na necessidade do combate a quem ameaça a democracia no nosso país. Reiteramos nossa postura combativa contra medidas autoritárias, mas também esperamos que nossos gestores façam sua parte e se esforcem para blindar a comunidade da UFSJ das arbitrariedades de um governo que nos vê como inimigos.